Tesouro Direto: prêmios dos títulos públicos recuam nesta 3ª feira; prefixados oferecem retorno de 10,7%

Brazilian currency

SÃO PAULO – Os prêmios dos títulos públicos negociados no Tesouro Direto operam em queda na manhã desta terça-feira (24), com destaque maior para o movimento nos papéis prefixados, com quedas acima de dois dígitos das taxas.

Com ruídos políticos e temores sobre a fragilidade do teto de gastos e sobre as perspectivas de crescimento e avanço da inflação, investidores acompanham com a atenção as falas de Arthur Lira, presidente da Câmara e Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, na 11ª edição da Expert XP.

No Tesouro Direto, o juro pago pelo papel com vencimento em 2031 era de 10,68% no início da manhã desta terça-feira, contra 10,80% na sessão anterior. No mesmo horário, o retorno do título com vencimento em 2026 era de 10,01%, abaixo dos 10,12% vistos na segunda-feira.

Já entre os papéis atrelados à inflação, o juro real oferecido pelo Tesouro IPCA com vencimento em 2055 e pagamento de juros semestrais caía de 4,94%, na sessão anterior, para 4,87%, na primeira atualização da manhã.

Da mesma forma, o retorno real pago pelo Tesouro IPCA com vencimento em 2026 era de 4,57%, abaixo dos 4,69% pagos um dia antes.

Confira os preços e as taxas de todos os títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto oferecidas na manhã desta terça-feira (24):

Taxas Tesouro Direto
Fonte: Tesouro Direto

Radar local

Na agenda doméstica, o destaque está na participação de algumas personalidades do governo na 11ª edição da Expert XP, evento anual realizado pela companhia e um dos maiores festivais de investimentos do mundo. O evento acontece de forma online e gratuita entre os dias 24 e 26 de agosto. Saiba mais clicando aqui.

Logo no começo da manhã, a Expert XP recebe, às 10h30, Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara. Na sequência, vem um painel com Flávia Arruda, ministra da Secretaria de Governo, às 16h. Em seguida, há outro painel com a participação de Tarcísio de Freitas, ministro de Infraestrutura, às 17h. Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, também participa de palestra às 18h.

Ainda na cena política, Augusto Aras, procurador-geral da República, é sabatinado nesta terça-feira pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Ele foi indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para mais um mandato de dois anos. A sabatina ocorre um dia após o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), ter arquivado um pedido de investigação contra Aras por suposto crime de prevaricação.

No radar econômico, as atenções seguem voltadas para a PEC dos precatórios. Matéria do jornal O Estado de S. Paulo destaca que o governo tem a percepção de que o parcelamento dos precatórios deve sofrer resistência e não passar no Congresso. Com isso, é estudado um plano B, que consistiria na retirada do teto de gastos de R$ 30 bilhões de precatórios que estariam acima do previsto para 2022. Também não está descartada a hipótese de retirar completamente a despesa com precatórios do teto e recalcular seu limite desde a origem.

Cena externa

No cenário internacional, as commodities têm sessão de alta, trazendo alívio para o mercado diante do recuo recente. O destaque está nos futuros de minério de ferro, que saltam mais de 6%.

Investidores também monitoram dados divulgados nesta terça pelo Escritório Federal de Estatísticas da Alemanha. Segundo a instituição, o PIB ajustado para efeitos sazonais do país cresceu 1,6% no segundo trimestre. O avanço superou por pouco a estimativa anterior do órgão, de alta de 1,5%.

Além disso, a agência internacional de notícias Reuters informou que o G7, que reúne as sete maiores economias de países desenvolvidos do mundo, deve se reunir nesta semana para obter uma decisão unificada sobre reconhecer ou não o governo do Talebã no Afeganistão, ou se devem ser impostas sanções ao grupo.

O mercado também aguarda o simpósio de Jackson Hole no fim da semana, em que autoridades do Federal Reserve, o banco central americano, devem detalhar seus planos para a redução de estímulos monetários.

O Federal Reserve iniciou discussões para desacelerar seu programa bilionário de compra de títulos no final de 2021, que vem injetando cerca de US$ 120 bilhões mensalmente nos mercados. O presidente do Fed, Jerome Powell, discursa na sexta.

Curso gratuito ensina a ter consistência na bolsa para ganhar e rentabilizar capital. Participe!