Com perdas nos últimos anos, Mauá Capital reduz área de fundos multimercados

SÃO PAULO – A Mauá Capital informou nesta sexta-feira (3) que está reestruturando suas áreas dentro da gestora, de forma a focar naquelas que têm conseguido entregar melhores retornos à casa e aos cotistas. Neste cenário, a área dos fundos multimercados será reduzida.

“Os últimos três anos foram muito desafiadores e, apesar do esforço, não conseguimos gerar a consistência nestes produtos da forma que os nossos clientes merecem. Por isso, estamos reduzindo e mudando o perfil dessa gestão para alocação em ativos dentro de limites bem definidos de volatilidade”, escreve o sócio-fundador Luiz Fernando Figueiredo, em nota.

Segundo Figueiredo, que é ex-diretor do Banco Central, a área será menor, manterá a abordagem macroeconômica e terá uma gestão de mais longo prazo liderada por ele, que voltará ao papel de gestor após seis anos focando na expansão da gestora.

O principal fundo multimercado da casa, o Mauá Macro, acumula perdas de 7,7% em 2021, ante variação de 2,06% do CDI. Em 12 meses, o fundo também tem desempenho negativo, da ordem de 2,8%, ante variação de 2,7% do principal benchmark de renda fixa.

Além do resultado negativo, o fundo perdeu muitos cotistas e patrimônio líquido nos últimos anos. Em 1º de setembro deste ano, o fundo tinha 1.203 cotistas, segundo dados da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Um ano antes, a base era de 2.010 investidores e em 2019, de 3.107 – uma queda de 40,2% e de 61,3%, respectivamente.

Já o patrimônio líquido do fundo, que estava em R$ 384,97 milhões, no início de setembro de 2019, caiu 67,7% para R$ 124,5 milhões em setembro deste ano.

Novas direções

Nos últimos nove anos, a Mauá investiu fortemente em produtos ligados à economia real. Na área de investimentos alternativos, a casa destaca que alocou no mercado imobiliário, que já concentra cerca de 80% dos R$ 5 bilhões em ativos sob gestão.

A gestora também segue firme em sua área de ações, com estratégias de valor, buscando “boas empresas a preços razoáveis para investir”. Figueiredo afirma que a Mauá tem atuado ainda como investidora em fintechs com grande potencial de crescimento, como Pontte e Marvin, ambas de crédito.

Recentemente, a gestora também deu seu primeiro passo no segmento de infraestrutura, com um fundo voltado para a área de saneamento.

Estratégias ESG também são de interesse da Mauá. “Além de estarmos nos adequando completamente aos padrões de sustentabilidade internamente, estamos muito avançados em trazer soluções a grandes empresas para que elas possam ajudar seu ecossistema a se desenvolver, evoluir de forma sustentável”, escreve o sócio-fundador, em nota.

As melhores recomendações de investimentos por 30 dias grátis: conheça o Expert Pass

The post Com perdas nos últimos anos, Mauá Capital reduz área de fundos multimercados appeared first on InfoMoney.