IBC-Br indica alta de 2,3% no primeiro trimestre

Na comparação com março de 2020, a prévia do PIB registrou expansão de 6,26%

Em 2021, a economia brasileira iniciou o ano em expansão, mas com desaceleração no ritmo de crescimento da atividade econômica no primeiro trimestre

O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) do Banco Central teve alta de 2,3% no primeiro trimestre, em comparação aos três últimos meses do ano passado. O número foi divulgado nesta quinta-feira (13) e calculado após ajuste sazonal. No último trimestre do ano passado, o aumento foi de 3,17%. Quando a comparação é feita com o resultado do primeiro trimestre de 2020, o IBC-Br indica elevação de 2,27% (sem ajuste sazonal).

Na comparação com março de 2020, o IBC-Br registrou uma expansão de 6,26%, segundo o Banco Central. No acumulado dos 12 meses até março deste ano, no entanto, houve queda de 3,37% – sem ajuste sazonal. Com a retração alcançada em fevereiro, o IBC-Br atingiu 140,16 pontos. Mesmo assim, permaneceu acima do patamar registrado antes da pandemia (139,96 pontos em fevereiro de 2020).

Em 2021, a economia brasileira iniciou o ano em expansão, mas com desaceleração no ritmo de crescimento da atividade econômica no primeiro trimestre. O PIB serve para medir a evolução da economia. O IBC-Br do Banco Central é um indicador criado para tentar antecipar o resultado do PIB, mas os números oficiais do PIB do primeiro trimestre serão divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) no começo de junho.