Confiança do empresário industrial recua em janeiro

A queda demonstra a elevada incerteza com relação à evolução da pandemia

O crescimento do contágio do coronavírus eleva o risco de retorno das medidas de ampliação do isolamento social, o que impactou o resultado

O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI), medido pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), ficou em 60,9 pontos em janeiro de 2021 ante 63,1 pontos em dezembro de 2020. A queda demonstra a elevada incerteza com relação à evolução da pandemia e seu impacto na economia brasileira.

Apesar da queda, o índice ainda indica confiança do empresário industrial. O indicador varia de 0 a 100 e todos os valores acima de 50 pontos são considerados positivos. Foram entrevistadas 1.286 empresas, sendo 491 de pequeno porte, 505 de médio porte e 290 de grande porte.

De acordo com o gerente-executivo de Economia da CNI, Renato da Fonseca, o crescimento do contágio do coronavírus em importantes mercados da economia mundial, como a Europa e os Estados Unidos, além do Brasil, eleva o risco de retorno das medidas de ampliação do isolamento social, o que impactou o resultado do ICEI.

“Mas é importante dizer que o indicador continua elevado, em 60 pontos, distante de 50, que é a linha de corte, entre um cenário de confiança e de desconfiança. Continua a perspectiva de crescimento, com investimentos em muitas áreas, nesse momento de recuperação”, explica o economista.