Brasil se destaca na implementação da logística inteligente

Entretanto, os resultados estão abaixo da média global, nota PwC

Os resultados revelam ainda que os investimentos feitos na cadeia de suprimentos são recompensados

Para prever o cenário nos próximos cinco anos, a PwC entrevistou 1,6 mil executivos da cadeia de suprimentos em 33 países, incluindo o Brasil. O resultado é o estudo Ecossistemas conectados e autônomos de cadeia de suprimentos 2025, que avalia toda a complexa rede de organizações envolvidas em levar um produto dos fornecedores até os clientes. Entre os principais destaques do cenário brasileiro está a constatação de que a maioria das empresas nacionais têm nível médio a alto de maturidade de integração da cadeia de suprimentos, com 36% apresentando um ecossistema bem organizado do início ao fim.

Já 37% delas dão alta prioridade à transparência da cadeia, resultado que fica acima da média global (23%), enquanto 36% já implementaram a transparência (28% no mundo) e 17% empregam Inteligência Artificial (IA) para gerar transparência – nível semelhante ao apresentado pelas companhias consideradas novatas digitais. Ainda de acordo com a pesquisa, apenas um quinto das empresas brasileiras adota o planejamento do início ao fim da cadeia, resultado em linha com o global.

O Brasil ainda se destaca em relação à média mundial na implementação da logística inteligente, com 41% contra 32%. Entretanto, os resultados nacionais estão abaixo da média global em todas as opções de uso de recursos de IA para impulsionar ecossistemas da cadeia de suprimentos. Os resultados revelam ainda que os investimentos feitos na cadeia de suprimentos são recompensados, e que quem saiu na frente no processo de transformação digital está colhendo os frutos. Em 2019, essas empresas alcançaram uma economia operacional de 6,8% nos custos anuais com a cadeia de suprimentos, tendo ainda um aumento de 7,7% na receita.