Pix: mitos e verdades sobre a nova modalidade de pagamentos

Especialista esclarece principais dúvidas sobre novo sistema e funcionamento da tecnologia

O Pix não tem restrição de dia ou horário para utilização e a transferência é feita em até 10 segundos

O Pix, sistema brasileiro de pagamentos instantâneos desenvolvido pelo Banco Central começou a ser utilizado oficialmente no dia 16 de novembro. AMANHÃ compilou aquelas que podem ser as principais dúvidas dos usuários. As respostas são do professor Rudolf Bühler, do departamento de engenharia elétrica da FEI.

O Pix eliminará as opções de TED e DOC?
Os tradicionais TED e DOC continuarão existindo e poderão ser utilizados a qualquer momento. O Pix é apenas uma nova opção, mas por ser mais rápida (até 10 segundos, de acordo com o Banco Central) e segura, deve se tornar cada vez mais popular e espera-se que o sistema tradicional de DOC e TED se tornem mais baratos ou até mesmo gratuitos nas diversas instituições, tendo em vista essa nova disputa.

O QR Code é mais seguro?
Sim. Além de ser muito mais complexo para ser fraudado, o QR Code carrega mais informações agregadas do que o boleto. Até que a tecnologia esteja acessível para todos, deveremos ver boletos dando ambas as opções de pagamento, via código de barras e QR Code.

Todas as transações serão gratuitas?
Segundo definiu o Banco Central, as transações entre Pessoas Físicas (de PF para PF) serão isentas de cobrança. Para transferências entre Pessoas Jurídicas (de PJ para PJ) ou de Pessoa Jurídica para Pessoa Física (de PJ para PF), a cobrança é opcional e a cargo de cada instituição financeira, mas ainda será mais barato do que fazer um TED, por exemplo. Diversas instituições financeiras já anunciaram que não irão cobrar por transferências, independentemente da origem e destino. Empresas poderão utilizar o Pix para fazer o pagamento de salários dos funcionários e, em breve, pagamentos de tributos. Com isso, o funcionário não precisará mais fazer a abertura de uma conta-salário, agilizando a contratação e reduzindo custos para o empresário. Espera-se que a quantidade de transações diárias sofra um grande aumento nos próximos meses com a entrada do Pix.

Posso fazer transações a qualquer momento?
Pode. O Pix não tem restrição de dia ou horário para utilização e a transferência é feita em até 10 segundos. Esta característica dará maior agilidade para a indústria e para as empresas, pois não terão a taxa para emissão de boletos e nem a demora na confirmação de pagamentos, reduzindo os prazos de entrega, gerenciamento melhor de estoque, agilidade em negociações, melhora na competitividade e, como consequência, girando mais a economia.

Para transferir via Pix, o recebedor também deve ter uma chave cadastrada?
Não. Este cadastro é opcional, pois será possível também utilizar os dados tradicionais de número de banco, agência, conta e CPF/CNPJ. No entanto, o próprio Banco Central recomenda fortemente criar uma chave para receber a transferência, pois as transações realizadas apenas informando os dados da conta poderão sofrer uma demora para conclusão, reduzindo um dos benefícios principais em se utilizar o PIX.

Posso cadastrar mais de uma chave Pix?
Sim, cada Pessoa Física pode ter até cinco chaves diferentes para cada conta que for titular. Para Pessoa Jurídica, cada conta pode ter até 20 chaves. Elas podem ser número de telefone celular, e-mail, CPF ou CNPJ e a chave aleatória. É importante ficar atento caso você possua conta em mais de um banco, pois uma vez que uma chave é cadastrada em uma instituição, não poderá ser utilizada em outra.

O Pix não requer uso de senhas ou biometrias?
Para fazer a transferência, continuarão valendo os mesmos mecanismos de segurança atuais, como senha ou biometria no app da Instituição financeira. Também continuam valendo os cuidados de verificar para quem você está fazendo a transferência e de não compartilhar seus dados pessoais, assim você evita o risco de cair em golpes ou fraudes. Tome cuidado com e-mail e mensagens de WhatsApp/SMS e não clique em links. Tome como regra apenas acessar o app do seu banco e fazer todas as transações por ali.