Como a desvalorização do real empobrece o País

Por Fábio Pina e André Sacconato*

Quase todos conhecem o lado positivo da desvalorização cambial. As empresas, a agricultura e os produtos nacionais ficam mais competitivos lá fora, porque os preços em reais ficam excepcionalmente mais baratos em dólar. Em que pese a inflação brasileira ser maior do que a americana, esta diferença não é suficiente para reverter todo o efeito da valorização nominal do dólar frente ao real de quase 200% desde 2007, por exemplo.

Entretanto, também há um lado sombrio deste processo. Isso é facilmente perceptível naquela famosa frase: “Antes, quando ia para os Estados Unidos, conseguia comprar coisas muito baratas e, hoje, não vale mais a pena”. Você pode responder: “Mas isso atinge apenas quem pode viajar, classe média alta e classe alta”. Não é bem assim. Como os importados sofrem aumento de preços para todos nas prateleiras, o consumo de produtos nacionais cresce, e estes também têm a mesma variação no preço e atingem, indiscriminadamente, todas as classes, mesmo muitas vezes não sendo produtos importados.

Isso também ocorre com as empresas nacionais, mas que têm insumos (matérias-primas, partes, peças e/ou serviços) importados e são obrigadas a aumentar o preço dos produtos finais. Como os salários nominais não têm relação com o câmbio, as pessoas ficam mais pobres.

Há um jeito de se identificar, em números, o quanto estamos mais pobres com a desvalorização? Sim! Uma forma é analisar o comportamento de produtos que tenham preços fixados em dólar no exterior e um histórico de lançamentos. Talvez um dos melhores e mais conhecidos exemplos seja o iPhone, da Apple. O primeiro modelo foi lançado em junho de 2007 e custava U$ 499, com 4GB, e U$ 599, com 8GB. Naquele mês, o valor do dólar em reais fechou em R$ 1,93, o que faria com que o aparelho de 4GB custasse R$ 963,62, e o de 8GB, R$ 1.156,73.

Apesar de o câmbio ter fechado, em setembro de 2020, em R$ 5,40, a conta não é tão simples; isso porque a inflação nos preços no Brasil é maior do que nos Estados Unidos, e a diferença deve ser descontada. Fazendo as contas, é possível mensurar o preço atualizado deste mesmo celular: tirando os efeitos do diferencial de inflação, os preços chegariam a R$ 1.550,12 pelo primeiro aparelho e R$ 1.860,76 pelo segundo, ou seja, a desvalorização do câmbio pressionou um aumento de preços de 60,86% no período.

Os números mostram o empobrecimento relativo do brasileiro por causa do câmbio. Se partirmos do princípio de que o salário foi reajustado no período por um índice que apenas cobriu a inflação, um brasileiro médio empobreceu mais de 37% em relação aos produtos importados – ou terá que gastar 60% a mais na sua aquisição.

O câmbio de equilíbrio não se constrói artificialmente por ações do Banco Central (BC) no mercado cambial ou por decreto: é apenas reflexo das condições macroeconômicas de momento, se o fluxo de moedas for livre, como é hoje no Brasil. Neste caso, o equilíbrio é sempre atingido de uma forma automática diante das expectativas de quem traz e de quem leva dólares do País. De qualquer forma, é importante ressaltar que tanto a valorização como a desvalorização cambial trazem benefícios e custos para a economia, mas as mudanças muito drásticas provocam problemas sérios de planejamento de produção, o que dá respaldo para entradas pontuais do BC no mercado. Em um ambiente estável, desvalorizações e valorizações são fatos normais. Em um mercado nervoso e sem perspectiva, são fatores que envenenam o crescimento de longo prazo.

Para reduzir a volatilidade exagerada que cria muitas incertezas, e também para que se evite um ciclo longo e continuado de valorização e desvalorização cambial (com seus efeitos deletérios), o governo tem apenas um caminho que não lance mão de medidas exóticas, como controle cambial ou ancoragem da moeda ao dólar: o ajuste fiscal e a melhoria das regras para investimentos nos setores de infraestrutura que podem aumentar o fluxo de recursos estrangeiros, contribuindo para que o valor do dólar se estabilize em patamares compatíveis com o novo cenário.

É imperioso recuperar a confiança do investidor estrangeiro no Brasil e aumentar o crescimento potencial da economia nacional, atraindo mais recursos para investimentos diretos e na Bolsa. Esse parece ser o momento ideal para isto, dada a elevada liquidez de recursos no mundo, resultado de políticas monetárias expansionistas como resposta à crise de covid-19. O momento para reformas e ajustes é agora, e não se deve perder a chance.

*Fábio Pina e André Sacconato são consultores econômicos da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP)

The post Como a desvalorização do real empobrece o País appeared first on InfoMoney.