Banco Central mantém juros básicos em 2% ao ano

Copom afirma que há pouca margem para novos cortes na Selic no futuro

O Banco Central voltou a cobrar reformas novamente

O Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central (BC), decidiu por unanimidade manter os juros básicos em 2% ao ano. No documento, o BC avalia que no cenário externo, a forte retomada em alguns setores produtivos parece sofrer alguma desaceleração, em parte devida à ressurgência da pandemia em algumas das principais economias. “Há bastante incerteza sobre a evolução desse cenário, frente a uma possível redução dos estímulos governamentais e à própria evolução da Covid-19. Contudo, a moderação na volatilidade dos ativos financeiros segue resultando em um ambiente relativamente favorável para economias emergentes”, ressalta a nota (leia a íntegra ao final desta reportagem).

O Copom afirma que, em relação à atividade econômica brasileira, indicadores recentes sugerem uma recuperação desigual entre setores, similar à que ocorre em outras economias.”Os setores mais diretamente afetados pelo distanciamento social permanecem deprimidos, apesar da recomposição da renda gerada pelos programas de governo. Prospectivamente, a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual, sobretudo para o período a partir do final deste ano, concomitantemente ao esperado arrefecimento dos efeitos dos auxílios emergenciais”, detalha o Comitê.

O colegiado avaliou ainda que as expectativas de inflação, assim como as projeções de seu cenário básico, encontram-se significativamente abaixo da meta de para o horizonte relevante de política monetária; o regime fiscal não foi alterado; e as expectativas de inflação de longo prazo permanecem ancoradas. “As últimas leituras de inflação foram acima do esperado, e o Comitê elevou sua projeção para os meses restantes de 2020. Contribuem para isso a continuidade da alta nos preços dos alimentos e de bens industriais, consequência da depreciação persistente do real, da elevação de preço das commodities e dos programas de transferência de renda. Apesar da pressão inflacionária mais forte no curto prazo, o Comitê mantém o diagnóstico de que esse choque é temporário, mas monitora sua evolução com atenção”, explica o Copom.

O Banco Central voltou a cobrar reformas novamente. “O Copom avalia que perseverar no processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para permitir a recuperação sustentável da economia. O Comitê ressalta, ainda, que questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia”, ressaltam os membros do colegiado. O BC também afirma que há pouca margem para novos cortes na Selic no futuro.

Seu navegador não oferece suporte ao visualizador de PDF
Baixe o arquivo PDF aqui