Para Daniela, o maior desafio será recuperar a credibilidade catarinense

Primeira governadora a assumir o Estado, ela elegeu a infraestrutura como prioridade

Daniela preferiu não se manifestar se houve justiça no afastamento de Carlos Moisés

Austeridade, simplicidade, integração, diálogo, eficiência, desenvolvimento e legalidade. Essas serão as diretrizes da gestão liderada por Daniela Reinehr (sem partido) a partir desta terça-feira (27). Após assumir o cargo, a primeira mulher a assumir Santa Catarina concedeu uma coletiva de imprensa onde anunciou as prioridades do seu governo. “Entre meus maiores desafios estão gerir a pandemia focando na recuperação econômica e, principalmente, recuperar a credibilidade catarinense, pois [esse processo de impeachment] tirou a estabilidade institucional do Estado”, declarou.

Daniela também revelou que, “na medida em que se mostrarem necessárias”, fará mudanças no primeiro escalão nos próximos dias. A primeira delas já foi feita. A Casa Civil agora será comandada pelo general da reserva Ricardo Miranda Aversa. Ele é carioca, tem 55 anos e teve como última função no Exército o Comando da 14ª Brigada de Infantaria Motorizada, de Florianópolis. Miranda realizou o curso de política, estratégia e alta administração do Exército e, paralelamente, o MBA em gestão de projetos, pela Fundação Getúlio Vargas. Ele será o principal responsável pelo diálogo da Casa d´Agronômica com a Assembleia Legislativa (Alesc). “Confio muito nele por sua formação e carreira e, ainda, pela habilidade de circular em todos os setores da sociedade catarinense”, destacou Daniela dizendo, ainda, que não gostaria de assumir o governo sem estar ao lado de Miranda, já empossado, em sua primeira aparição pública como governadora. A imprensa catarinense já cogita alterações nas pastas da saúde, comunicação e Procuradoria Geral do Estado (PGE). Deputados também poderão ser escolhidos para atuarem no secretariado.

A nova governadora elegeu como prioridade a busca por investimentos em infraestrutura. Ela revelou que alguns contratos passarão por uma criteriosa revisão e que fará um levantamento, de modo a buscar recursos em Brasília para retomada e finalização de algumas obras. “Por vezes Santa Catarina é tida como uma ilha onde tudo dá certo, mas essa visão nos prejudica, pois passa a ideia de que não precisamos de nada, mas o fator que mais temos necessidade é justamente a infraestrutura”, afirmou. Alinhada ao governo de Jair Bolsonaro, Daniela assegurou que teve sempre seus pleitos atendidos pelo Palácio do Planalto. Segundo ela, não há dúvidas que, agora como governadora, os pedidos serão igualmente atendidos.

Ao ser perguntada sobre o avanço dos casos de coronavírus na Grande Florianópolis, Daniela se posicionou sobre a forma como deverá tratar a pandemia. “Temos de avaliar cada caso, mas temos de cuidar dos doentes e não dos saudáveis. Defendo que o médico deve cuidar do paciente. As pessoas devem procurar o médico assim que apresentarem qualquer sintoma e ele tem autonomia [para encaminhar o tratamento] de acordo com cada paciente”, opinou. Ela também disse que, seguindo pareceres do Judiciário e do Supremo Tribunal Federal (STF), dará autonomia aos municípios e que é contra o “fecha tudo”.

Daniela preferiu não se manifestar se houve justiça no afastamento de Carlos Moisés. “Não cabe a mim julgá-lo ou avaliar a sua conduta. Existem Poderes com a competência legal para aferir [conceder] essa resposta. Batalhei muito para sair dos atos [de impeachment] onde eu não tinha nada a ver. Sempre acreditei que as condutas deveriam ser julgadas de modo separado. Como advogada que fui durante 18 anos não poderia deixar de acreditar na justiça”, manifestou.

Ao ser questionada sobre o fato de Moisés ter declarado que o afastamento dele significava “a volta da velhíssima politica”, Daniela foi taxativa. “Não me cabe ficar ruminando o passado. Preciso respeitar os Poderes e a competência de cada ente do Estado. Não sou eu que devo julgar. Tenho um compromisso gigante, baseado no respeito às pessoas e instituições, e pretendo fazê-lo com muita honra e responsabilidade para chegar a esse desiderato”, afirmou se utilizando, mais uma vez, de um vocabulário requintado, próprio do meio jurídico. Em tempo: desiderato nada mais é que desejo, anseio ou simplesmente objetivo. Resta saber se os de Daniela se cumprirão até dezembro de 2022.