Concessão de diversas rodovias federais em SC pode ser inviável

Falta de investimentos pode comprometer integridade da infraestrutura de transportes

“Historicamente não temos recebido recursos suficientes para os investimentos”, cobrou Mario Cezar de Aguiar

A Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc) defende ação integrada entre os governos federal e estadual e o setor produtivo no sentido de buscar a viabilidade de concessão de corredores logísticos em Santa Catarina. A preocupação foi manifestada pelo presidente, Mario Cezar de Aguiar, na terça-feira (27) durante a primeira de três oficinas on-line sobre os corredores logísticos e a infraestrutura catarinense, que a entidade promove nesta semana.

No evento, o secretário Nacional de Transportes Terrestres do Ministério da Infraestrutura, Marcello da Costa Vieira, apresentou uma síntese de diversos estudos feitos pelo Ministério para a concessão das BRs 280, 282, 153 e 470 no território catarinense. O secretário salientou que todos esses estudos foram concluídos sem sucesso e os planos de concessão foram revogados, pois resultavam em tarifas muito elevadas.

Aguiar solicitou uma audiência com o secretário para apresentar as demandas logísticas catarinenses, recolhidas em visitas a todas as regiões do estado. A proposta da Fiesc é que seja realizado um planejamento integrado e sistêmico, de todos os corredores logísticos com concepção intermodal. “Os investimentos na infraestrutura catarinense são por justiça e por inteligência, pois o estado dá respostas aos investimentos aqui feitos”, destacou o presidente da Fiesc.

“Historicamente não temos recebido recursos suficientes para os investimentos. Precisamos dotar o estado de uma infraestrutura de transporte adequada para fortalecer o crescimento, que é nato e próprio dos catarinenses, que, contudo, enfrentam dificuldades para receber os insumos e transportar as riquezas produzidas”, cobrou Aguiar. Ele ainda observou que, apesar de sua eficiência, os portos de Santa Catarina não têm acesso ferroviário e têm dificuldades com o transporte rodoviário, especialmente por estarem localizados dentro ou próximos de centros urbanos.

O diretor do Grupo de Portos e Mercado da unidade de Hamburgo do Instituto Fraunhofer, da Alemanha, Ralf Fiedler, defendeu estudos para o desenvolvimento de sistemas intermodais de transporte no estado. Segundo ele, tal iniciativa se justifica pelo desenvolvimento econômico promissor com volumes crescentes de portos, alta competitividade da região, maior urbanização da região costeira e o consequente congestionamento da rede rodoviária, que eleva os custos logísticos, além da crescente consciência sobre a poluição do ar e questões de segurança no trânsito. Ele observou que o transporte ferroviário se torna viável para distâncias superiores a 300 quilômetros e para o transporte de mais de 50 contêineres. Em seus estudos, ele constatou que, em 2019, Santa Catarina movimentou mais de 248 milhões de toneladas, considerando os transportes internos, para o Brasil e para o mundo.