Empresas chinesas terão que informar investidores nos EUA sobre riscos políticos e regulatórios

(Bloomberg) — A Comissão de Valores mobiliários dos EUA vai exigir que as mais de 250 empresas chinesas listadas em mercados americanos forneçam mais informações aos investidores sobre riscos políticos e regulatórios, ampliando uma exigência que antes só se aplicava a ofertas públicas iniciais (IPOs, em inglês).

Gary Gensler, presidente da comissão (conhecida pela sigla em inglês SEC), disse em entrevista na terça-feira que as informações mais detalhadas provavelmente serão incluídas nos relatórios anuais das companhias a partir do começo do ano que vem. Os novos detalhes devem trazer dados sobre estruturas de empresas usadas apenas como veículos financeiros, acrescentou.

Os investidores precisam de “revelação completa e justa” das informações, disse Gensler.

“O que é divulgado é realmente adequado ao momento atual em termos de riscos regulatórios, dos vários riscos políticos?”, questionou ele.

Leia também:
Pressão regulatória atinge mais setores em “nova China” de Xi Jinping

O maior rigor reflete a mais recente reação da SEC à repressão de Pequim ao setor privado. As medidas do governo chinês, como análises aprofundadas de segurança para empresas que querem listar papéis no exterior, chocaram Wall Street e desencadearam um grande movimento de venda de ações chinesas negociadas nos EUA.

No mês passado, Gensler disse que a SEC paralisaria IPOs de empresas chinesas até que a divulgação de informações fosse aprimorada.

Curso gratuito ensina a ter consistência na bolsa para ganhar e rentabilizar capital. Participe!